"Quem tinha tempo para a poesia? Pois ela comprou um carrinho invisível e começou a catar palavrão" Rita Apoena

14.8.17

Te salvei em JPEG

Eu vi tua foto, a foto nova do teu perfil.
Você estava sorrindo.
Com um copo na mão.
Whisky com gelo.
E tava de gravata.
Eu tava com você nesse dia.
Fui eu que tirei tua foto, debaixo da escada, de frente ao espelho.

Sabe quando você repete a mesma palavra várias vezes até ela perder o sentido?
Eu tava tentando fazer isso com você.

Eu olhava fixamente sua foto.
Passei quase duas horas olhando tua foto.
Ás vezes parecia que eu te conhecia
E logo depois você se tornava um desconhecido.
Eu não conseguia reconhecer aquele sorriso, e aquela barba.
Parecia que eu tinha passado a vida toda com você,
E no momento seguinte você era uma vaga lembrança,
Um borrão que eu não sabia de onde vinha.

Depois você não fez mais sentido pra mim.
Parece que nem foi pra você que disse: Eu te amo.
Parece que nem foi com você que eu ri até fazer xixi.
Parece que nem foi com você que eu senti meu coração pulsar na garganta.
Parece que nem aconteceu...

Que estranho né?
Eu pensei que fosse te amar pra sempre.

Eu ainda estou olhando sua foto, dessa vez buscando algum sentido.
Mas não há sentido algum. Sinto muito.

2.8.17

Whatsapp


Migs: - Vei, não entendo, a gente é gata, gente boa, sem frescura, não enche o saco, tem mestrado, paga a conta, gosta de futebol, toma uma cerva pra variar, gosta de viajar e malha, o que mais esses homi quer?

Bri: - Eu acho que quando a mulher é topzera o homi fica sem desculpa pra ser um merda. Ele vira um merda sem causa.

Migs: - KKKKKKKKKK

Bri: - Aí dá pane na cabeça dele, porque nóis é massa, e ele não tem motivo pra ser um merda, aí ele mete o loko! KKKKKKK

Migs: - Ou então ele manipula, e nos faz pensar que somos merdas, aí ele consegue ficar de boa

Bri: - Seu caso amiga.

Migs: - Isso é sinal de homi merda, querer que a topzera se sinta menos top.

Bri: - Foge que é treta!

Migs: - Manda sefuds




18.7.17

Sorte no jogo

Naquele jogo você era o rei, o meu rei.
Naquele jogo você era o bispo.
Naquele jogo você era a rainha, você era a torre, o peão e o cavalo.
Naquele jogo você era o tabuleiro.
Naquele jogo você era o relógio.
Naquele jogo você era o preto e o branco.
Naquele jogo toda pontuação era sua.

Volta que meu coração está em Xeque.
Volta que sem você não tem jogo.

5.7.17

3.7.17

No Xadrez e na vida


No xadrez, quando uma jogada é considerada excelente nós anotamos  um (!!) no final dela.
Tem pessoas que são uma série de exclamações...
E o coração fica em Xeque-mate.
++

28.6.17

Me desculpa meu bem

Desculpe meu bem, é que você foi aquela poesia mal rimada que a gente passa um traço e escreve outra coisa por cima.
Aquela palavra mal colocada, que não fez sentido algum no texto.
Aquela frase solta, que não carrega nenhuma ideia definida.

Desculpa mesmo, mas é que você foi uma rasura no meu texto sabe?
Não era pra ter sido, mas já que foi a gente conserta como dá.
A inspiração não foi você, a história não foi sobre você.
Vamos amassar essa folha, e eu vou escrever de novo, tá bem?
Sem você dessa vez.


20.6.17

Sobre estrelas e motos

Você pensava que se tratava de estrelas.
E eu passei a noite te mostrando as constelações.
Num céu nublado e chuvoso, nós conseguimos ver todas.
Minha constelação naquela noite estava próxima a Lua, tão eu.
A tua estava metade no mar e metade no espaço, tão você.
Mas não se tratava de estrelas, era sobre chegar perto...

Eu pensei que se tratava de motos.
E eu te chamei para andar comigo.
Numa noite de chuva e céu nublado.
E você perguntou para onde iríamos.
E você chegou tão perto, que eu não tive tempo de pegar outro capacete.
Mas não se tratava de motos, e teu coração já estava acelerado...

Nós pensávamos que se tratava de uma noite qualquer
Mas foi uma noite de chuva com muitas estrelas
Uma noite sem motos com adrenalina.
 Improvável

13.6.17

Nem lembrava disso

Eu sempre estava esquecendo algo.
Um pendrive, um documento, um compromisso, uma panela no fogo, uma lampada acesa.
Esquecia o que ia fazer assim que saia de casa, trocava os caminhos, esquecia de buscar alguém, esquecia onde tinha deixado as chaves, sempre foi assim. Tentei criar várias estratégias, mas simplesmente elas não davam certo.
Não é que eu goste de esquecer ou tenha dificuldade em lembrar das coisas, é apenas minha cabeça que não funciona como a sua. E eu não posso fazer nada muito efetivo para mudar isso, eu tentei várias vezes, mas foi só frustração, de alguns, em ter que repetir as coisas mil vezes, e minha por me sentir absurdamente estupida em não conseguir lembrar de coisas (às vezes) tão simples.

Desisti de lembrar.

Deixa minha cabeça esquecer mesmo, que aí as sensações depois de esquecidas se tornam em primeiras novamente.
Deixa que eu esqueça o que ia fazer, porque aí eu arrumo uma coisa mais divertida pra me ocupar.
É bom esquecer alguns compromissos, algumas datas, alguns deveres.

Deixa eu esquecer daquele beijo, aí você me beija novamente.
Deixa eu esquecer da história do filme, que ele será novo para nós.
Deixa eu esquecer do caminho da tua casa, porque aí você me busca na sua garupa.
Deixa eu esquecer da reunião com o orientador, que eu durmo mais um pouco no teu peito.
Deixa que minha cabeça tá esquecendo das coisas ruins, e criando lembranças boas.
Deixa que eu esqueço o passado e me ocupo com esse presente lindo.
Deixa eu esquecer do que você me falou ontem, aí você fala de novo, e de novo, e de novo...

Deixa eu me lembrar que esquecer às vezes é muito bom!

12.6.17

A gente que sabe...



Essa paz é toda inquietude que reside no peito, e que rasga a carne até conseguir fugir.
Essa inquietude é toda alma, calma tsunami que me arrasta pro fundo do mar de ti.
Essa calma é esteio, é tua voz que assossega meu sono nos braços teus.
Essa voz que é embalo, é sussurro, é urro, no pé do ouvido meu.


Que esses dias passem devagar, porque meu coração já está acelerado demais!

1.6.17

De vez em quando

Vez ou outra ainda penso em você acredita?
Lembro daquele tereré que tomamos no estacionamento, das nossas teorias doidas de conexões e universo, do medo das câmeras de segurança, da musica na praia, de você dirigindo e segurando minha mão, daquele ritual de despedida sem fim que travávamos no meu portão.
Não sei porque você me vem a cabeça, se tudo foi tão bagunçado. E quando falam de você, só de ouvir seu nome meu coração atropela todos os outros pensamentos, e você fica na minha cabeça por horas.
Isso não é normal. Não pode ser!
Foi muito curto, foi muito pouco, foi muito rápido, algumas semanas até eu raciocinar direito e trocar seu nome na minha agenda por "Cilada Bino".

Eu odeio pensar tanto em você, e vez ou outra eu ainda penso em você, acredita?