"Quem tinha tempo para a poesia? Pois ela comprou um carrinho invisível e começou a catar palavrão" Rita Apoena

20.6.17

Sobre estrelas e motos

Você pensava que se tratava de estrelas.
E eu passei a noite te mostrando as constelações.
Num céu nublado e chuvoso, nós conseguimos ver todas.
Minha constelação naquela noite estava próxima a Lua, tão eu.
A tua estava metade no mar e metade no espaço, tão você.
Mas não se tratava de estrelas, era sobre chegar perto...

Eu pensei que se tratava de motos.
E eu te chamei para andar comigo.
Numa noite de chuva e céu nublado.
E você perguntou para onde iríamos.
E você chegou tão perto, que eu não tive tempo de pegar outro capacete.
Mas não se tratava de motos, e teu coração já estava acelerado...

Nós pensávamos que se tratava de uma noite qualquer
Mas foi uma noite de chuva com muitas estrelas
Uma noite sem motos com adrenalina.
 Improvável

13.6.17

Nem lembrava disso

Eu sempre estava esquecendo algo.
Um pendrive, um documento, um compromisso, uma panela no fogo, uma lampada acesa.
Esquecia o que ia fazer assim que saia de casa, trocava os caminhos, esquecia de buscar alguém, esquecia onde tinha deixado as chaves, sempre foi assim. Tentei criar várias estratégias, mas simplesmente elas não davam certo.
Não é que eu goste de esquecer ou tenha dificuldade em lembrar das coisas, é apenas minha cabeça que não funciona como a sua. E eu não posso fazer nada muito efetivo para mudar isso, eu tentei várias vezes, mas foi só frustração, de alguns, em ter que repetir as coisas mil vezes, e minha por me sentir absurdamente estupida em não conseguir lembrar de coisas (às vezes) tão simples.

Desisti de lembrar.

Deixa minha cabeça esquecer mesmo, que aí as sensações depois de esquecidas se tornam em primeiras novamente.
Deixa que eu esqueça o que ia fazer, porque aí eu arrumo uma coisa mais divertida pra me ocupar.
É bom esquecer alguns compromissos, algumas datas, alguns deveres.

Deixa eu esquecer daquele beijo, aí você me beija novamente.
Deixa eu esquecer da história do filme, que ele será novo para nós.
Deixa eu esquecer do caminho da tua casa, porque aí você me busca na sua garupa.
Deixa eu esquecer da reunião com o orientador, que eu durmo mais um pouco no teu peito.
Deixa que minha cabeça tá esquecendo das coisas ruins, e criando lembranças boas.
Deixa que eu esqueço o passado e me ocupo com esse presente lindo.
Deixa eu esquecer do que você me falou ontem, aí você fala de novo, e de novo, e de novo...

Deixa eu me lembrar que esquecer às vezes é muito bom!

12.6.17

A gente que sabe...



Essa paz é toda inquietude que reside no peito, e que rasga a carne até conseguir fugir.
Essa inquietude é toda alma, calma tsunami que me arrasta pro fundo do mar de ti.
Essa calma é esteio, é tua voz que assossega meu sono nos braços teus.
Essa voz que é embalo, é sussurro, é urro, no pé do ouvido meu.


Que esses dias passem devagar, porque meu coração já está acelerado demais!

1.6.17

De vez em quando

Vez ou outra ainda penso em você acredita?
Lembro daquele tereré que tomamos no estacionamento, das nossas teorias doidas de conexões e universo, do medo das câmeras de segurança, da musica na praia, de você dirigindo e segurando minha mão, daquele ritual de despedida sem fim que travávamos no meu portão.
Não sei porque você me vem a cabeça, se tudo foi tão bagunçado. E quando falam de você, só de ouvir seu nome meu coração atropela todos os outros pensamentos, e você fica na minha cabeça por horas.
Isso não é normal. Não pode ser!
Foi muito curto, foi muito pouco, foi muito rápido, algumas semanas até eu raciocinar direito e trocar seu nome na minha agenda por "Cilada Bino".

Eu odeio pensar tanto em você, e vez ou outra eu ainda penso em você, acredita?

23.5.17

Leve, leve, leve

E quando o tempo não passa
Quando as memórias já não lembram bem
E não precisamos mais ser
apenas aceitar o que nos vem

Ser mais que fomos
Ser infinito
Ser de paz e amor
de futuro e mar
águas claras e azuis.

Aí que vai bastar
que vai valer
que vai lembrar sem doer,
aquele vento vai soprar leve
como outrora fora.

O caminho é livre
pra quem sabe pra onde vai.
Em paz eu vou comigo
nesse trajeto claro e agitado.

E eu me acho, 
sem medo
sem pressa
sem dores

É assim que tem que ser,
o infinito dentro de si
que transborda aumentando limites,
a quintessencia da alma que
calma olha para o céu
e sorri.


8.5.17

Essa mala pesa

Sabe quando você vai viajar e você separa tudo o que vai levar, e quando vê, não cabe na mala.
E aí tem que fazer uma seleção do que é realmente importante e do que é dispensável. Mas aí você não consegue. E pega uma mala duas vezes maior que a anterior para poder carregar tudo.

E quando já está tudo dentro da mala, tudo o que você queria e não conseguiu se desfazer, você percebe que não dá pra carregar a bendita mala, porque está absurdamente pesada.

Tudo piora quando a mala é um coração.

3.5.17

Le Chat Blanc


"Cheguei, com a saudade maior do mundo. Cochilei um pouco, mas não sonhei contigo. Na verdade fiquei pensando em ti enquanto estava acordado, porque nossa distância é muito grande para me dar ao luxo de dormir enquanto sonho contigo, então é aqui que te encontro, em mim."


Foi a mensagem que recebi 12 horas depois que cheguei do aeroporto, meu coração se aqueceu ao mesmo tempo que todo calor do meu corpo foi embora, minhas pernas ficaram bambas, minha pele arrepiou e não havia nenhuma corrente de ar por perto. Meus olhos, meu coração, meu corpo inteiro sentia profundamente cada palavra escrita naquela mensagem. E eu fiquei sem palavras, logo eu, que sempre me dei bem com palavras, que sempre consegui expressar o que sinto, me vi sem palavras naquele momento.

Eu tinha tanta coisa para falar, mas não podia dizer nada, porque ele foi sem previsão de voltar, e eu fiquei sem previsão de esperar.

"A saudade começou quando você disse que iria, e permaneceu por todas as semanas até agora. E não há jeito de passar enquanto você não voltar. Até lá, te tenho em mim como o desejo mais forte e o pensamento mais bonito do dia. E as palavras fogem (como sempre), só que dessa vez você não está aqui para me fazer parar de falar... Se cuida 'chat blanc'. "

A mensagem nunca foi enviada. O numero dele foi bloqueado e excluído.
E até então a mensagem dele continuava sem resposta.



27.4.17

Narrativa



... depois do efeito percorrer meu corpo e bagunçar minha mente, lembro que consigo ver algumas luzes fora de foco, a sensação era de leveza e sinto meu corpo sendo puxado por outro antes que eu desabe. A garrafa ainda estava em minhas mãos, alguém me carrega lentamente, enquanto me pergunta coisas sem sentido. Ouço o som do estilhaço da garrafa que escorregou de minhas mãos. O que me parece bem apropriado, já que nesses últimos dias não tenho conseguido segurar mais nada na vida com firmeza mesmo... Ele soltou um palavrão, que serviu para me acordar daquela sonolência e quando abro os olhos vejo outros me olhando de volta, com aquele olhar de bronca, e percebo que estou segura mais uma vez e sorrio. Ele balança a cabeça e solta um "não tem jeito mesmo" e me sorri de volta. Meus sapatos estão sendo tirados e minha cabeça afunda no travesseiro. Eu estou consciente, sei disso porque mais uma vez sinto o medo de sempre...
- Não desligue a lâmpada, e não me deixe só.
- Não vou sair daqui... nunca. - ele disse.

Só que eu estava lá quando o avião dele partiu, acenando e tentando entender o que aconteceu nas ultimas semanas. Como um "Oi" pode se transformar tão rápido num "Adeus".

26.4.17

Talvez se ele voltar...

Talvez se eu não tivesse seguido ele no instagram
Talvez se ele não tivesse me seguido de volta
Talvez se eu não tivesse faltado naquele domingo
Talvez se eu não tivesse conseguido aquela pulseira VIP
Talvez se ele fosse menos bonito
Talvez se ele tivesse menos gominhos no abdômen
Talvez se ele fosse mais baixo
Talvez se ele não usasse aquela droga de perfume bom
Talvez se ele não soubesse o que estava fazendo
Aí, talvez eu não estivesse na bad.

Talvez se ele se achasse mais
Talvez se ele tivesse esquecido as datas do meu aniversário
Talvez se não tivéssemos comemorado meus aniversários
Talvez se ele não soubesse dançar tão bem
Talvez se ele não arriscasse a própria vida
Talvez se ele fosse menos atencioso
Talvez se ele fosse menos engraçado
Talvez se ele fosse um grude
Aí, talvez eu não estivesse apaixonada.

Talvez se ele não tivesse viajado
Aí, talvez, eu não estaria de luto.
Talvez se ele não soubesse disso tudo
Aí, talvez fosse mais fácil pra nós.
Talvez se eu não sentisse isso tudo
Aí, talvez nem escreveria aqui.

Vai, mas volta, porque sem você tudo é Talvez...

25.4.17

Brinda aqui comigo


Aos 20 anos eu pensei que hoje eu não estaria morando com meus pais, e que eu não viveria um dia de ressaca nunca mais.  Mas não foi bem assim, eu pensei que hoje eu seria essa pessoa, uma pessoa super exemplar.

Aos 23 anos eu pensei que hoje eu estaria preocupada com meu vestido de noiva, e que estaria dirigindo meu próprio carro com responsabilidade. Mas dia desses recebi uma multa de excesso de velocidade na rodovia, tava lá minha foto na moto. Ainda não me tornei a pessoa que queria ser naquela época.

Aos 25 anos eu pensei que hoje eu estaria cuidando do meu jardim na minha casa, porque eu estava tão ocupada com tanta coisa que deixei meu cacto morrer, mas hoje eu teria um belo jardim com horta e tudo. Não foi bem assim... Hoje não é nada disso que quero.

Eu adoro acordar com meu pai fazendo cócegas nos meus pés, tomar o café quentinho da minha mãe. A ressaca no dia seguinte me prova como a noite anterior foi divertida, e os vídeos não negam isso. O excesso de velocidade foi quando viajei de moto pela primeira vez, não tenho plantas, nem cachorros e nem horta, mas passo meu tempo com o que me acelera os batimentos cardíacos, isso inclui pessoas.

Talvez hoje eu não queira ser a pessoa que eu quis ser.
Mas eu ainda não terminei, há algumas viagens para fazer e algumas multas a pagar.
Mas o que mais me traz paz é saber que eu nunca mais serei a pessoa que quis ser!
A isso, um brinde!